Stellantis estará a desenvolver uma solução para a autonomia nos elétricos

Fonte:www.energicamotor.com

O carregamento por indução pode ser a resposta à principal questão dos elétricos: a autonomia. No entanto, as preocupações com as infraestruturas continuariam a existir.

Advertisements

Na sequência do anúncio pelo Parlamento Europeu da proibição de venda de novos veículos de combustão até 2035, a questão das infraestruturas é fortemente levantada no que diz respeito aos veículos elétricos.

Fonte:www.stellantis.com

Os veículos elétricos requerem energia tal como os veículos de combustão a exigem, mesmo que os métodos sejam diferentes. Na combustão, a energia vem do petróleo, enquanto os elétricos usam… bem, eletricidade. E, pelo menos até agora, e para o previsível, tanto os veículos de combustão como os veículos elétricos exigem uma paragem para repor os fornecimentos de energia. 

No entanto, este pode não ser o futuro eterno dos carros elétricos e das bicicletas, graças a algumas tecnologias que muitos de nós já conhecemos. 

Os carregadores sem fios são usados para telemóveis e com bastante regularidade. Cobram por indução: “carregamento de indução”. Isto não requer que o cabo ligue o telefone ao ponto de carga e, em vez disso, a carga é “induzida” à bateria do telefone a partir de uma plataforma. Está a ser desenvolvida uma solução semelhante para veículos elétricos. 

Fonte:www.stellantis.com

A realidade seria uma série de bobinas colocadas sob estradas que permitiriam que os carros elétricos carregassem enquanto conduziam. Carregando em movimento, como um jato de caça reabastecendo no ar – apenas, exigindo menos precisão. Presumivelmente, os receptores que seriam instalados em automóveis para levantar carga na estrada também poderiam ser projetados para motocicletas elétricas.

É uma solução que já está provada, em teoria, para funcionar. A Stellantis está a trabalhar em Itália na “Arena del Futuro” que seria uma auto-estrada equipada com tecnologia de carregamento de indução. O desenvolvimento da tecnologia permitiu que o hatchback Fiat viajasse até 130 km/h sem usar a energia nas suas baterias. 

Fonte:www.vmotosoco.pt

É uma boa ideia, que teoricamente resolveria as questões de alcance dos veículos elétricos, que é atualmente um dos seus maiores inconvenientes. Um dos outros é o peso, e neste caso as baterias de veículos elétricos poderiam ser reduzidas em tamanho, o que reduziria o peso. No entanto, a questão das infraestruturas volta a aparecer. Porque não há estradas com tecnologia de indução. Além disso, seria necessária uma adoção em massa em todas as principais nações para que os fabricantes desenvolvessem os receptores necessários para assumirem a carga da estrada. 

Mesmo assim, as infra estruturas superiores para a carga de indução em alguns locais seriam melhores do que outras – certamente é possível imaginar um cenário em que as nações desenvolvidas tivessem esta possibilidade de indução, enquanto os países em desenvolvimento tiveram de lidar com a falta de capacidade das baterias sem o apoio necessário para construir infraestruturas para a utilizar.

Fonte>www.stellantis.com

Em todo o caso, trata-se de uma tecnologia que vale a pena explorar, em vez de a descartar devido a problemas que poderiam surgir, em última análise, a solucionáveis, dado o desejo de os resolver.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You May Also Like