Revelados pormenores do protótipo Ducati MotoE 

Fonte:/media.ducati.com

A Ducati revela os pormenores técnicos do projeto MotoE num vídeo em que o protótipo é ilustrado pela equipa que supervisionou a sua criação e está a acompanhar o seu desenvolvimento (www.youtube.com/embed/cnP9pWdMZh8?rel)).

Advertisements

“V21L” em Borgo Panigale identifica a primeira moto elétrica da Ducati, um protótipo que, a partir de 2023, irá competir na Taça do Mundo FIM MotoE™, em que o fabricante de motos de Bolonha será parceiro como único fornecedor, com 18 motos em pista durante cada fim de semana de corridas.

Fonte:/media.ducati.com

O projeto MotoE tem relevância estratégica para a Ducati, uma vez que torna possível desenvolver competências para o futuro enquanto se mantém a abordagem que sempre moveu o ADN do fabricante de Bolonha: experimentar soluções tecnológicas no mundo da competição e trabalhar para garantir que tudo o que é desenvolvido nesta área pode ser transferido para as motos destinadas aos entusiásticos Ducatisti de todo o mundo.

Para produzir o protótipo de MotoE, o fabricante de Bolonha criou uma equipa que reúne designers da Ducati e da Ducati Corse, criando um extraordinário misto de talentos. A criação da moto seguiu o procedimento que é habitualmente adotado para as motos de produção, despoletando uma colaboração próxima entre os membros da equipa, que conduziu a novas formas de pensar e projetar, encorajada por um projeto tão desafiante tecnologicamente.

Fonte:/media.ducati.com

A divisão de tarefas e o diálogo contínuo entre as pessoas que formam a equipa foram fundamentais a longo do processo. A Ducati R&D teve a seu cargo as atividades de Gestão de Projeto, juntamente com o desenho e simulações da unidade motriz elétrica, enquanto o design da MotoE foi entregue ao Centro Stile Ducati, que também criou o esquema de cores. A Ducati Corse , por outro lado, trabalhou no desenho das partes eletrónicas, nos controlos de software e estratégias, nas simulações da dinâmica e aerodinâmica da moto e, finalmente, na montagem da moto, testes e processos de aquisição de dados.

O resultado no momento é já satisfatório: a Ducati MotoE tem um peso total de 225 kg (menos 12 kg que os requisitos mínimos impostos pela Dorna e pela FIM para uma moto capaz de completar a distância de corrida) e conta com números de potência máxima e binário de 110 kW (150 cv) e 140 Nm, respetivamente, que lhe permitem atingir uma velocidade de 275 km/h num circuito como Mugello (Itália)

Fonte:/media.ducati.com

O misto de competências, paixão e trabalho da equipa Ducati MotoE levou à criação de uma moto elétrica com soluções técnicas únicas. Começando pelo conjunto de baterias, o elemento mais característico e vinculativo em termos de massas e dimensões, que na Ducati MotoE se caracteriza por uma forma especificamente desenhada para acompanhar o curso natural da secção central da moto. O conjunto de baterias pesa 110 kg e disponibiliza uma capacidade de 18 kWh com uma entrada de carregamento de 20-kW integrada na traseira. No interior encontram-se 1152 células cilíndricas do tio “21700”.

O inversor, com um reduzido peso de 5 kg, é uma unidade derivada de um modelo de alta performance utilizado em competições motorizadas de veículos elétricos, enquanto o motor (21 kg de peso e uma velocidade de rotação máxima de 18.000 rpm) foi desenvolvido por um parceiro segundo as especificações técnicas fornecidas pela Ducati. Todo o sistema está baseado numa voltagem de 800V (com o conjunto de baterias totalmente carregado) para maximizar a entrega do motor elétrico e, como consequência, as prestações e autonomia.

Fonte:/media.ducati.com

Uma das mais avançadas soluções técnicas testadas nas Ducati MotoE diz respeito ao sistema de refrigeração. Os componentes do protótipo são, de facto, arrefecidos por um eficiente e particularmente sofisticado sistema líquido com um duplo circuito, desenhado para ir ao encontro das diferentes necessidades térmicas do conjunto de baterias e da unidade motor/inversor . Isto garante uma extrema regularidade das temperaturas, com importantes benefícios em termos de consistência da performance, mas também nos tempos de carregamento. De facto, não é necessário esperar pelo arrefecimento do conjunto de baterias para iniciar o processo: a Ducati MotoE pode ser carregada assim que entra na box, e demora cerca de 45 minutos para recarregar até 80% da sua autonomia.

A caixa em fibra de carbono do conjunto da bateria também age como membro integrante do chassis, tal como acontece com o motor da Ducati Panigale V4, com um quadro ‘Front Frame’ monocoque em alumínio na área frontal que pesa 3,7 kg. A traseira é composta por um braço oscilante em alumínio com 4,8 kg de peso e uma geometria como a da Ducati Desmosedici que corre em MotoGP. O sub-quadro, que integra a secção traseira e o assento do piloto, é feito em fibra de carbono.

Fonte:/media.ducati.com

A área da suspensão conta, na frente, com uma forquilha pressurizada Öhlins NPX 25/30 com bainhas invertidas de 43 mm de diâmetro, derivada da Superleggera V4, enquanto um amortecedor Öhlins TTX36 está presente na traseira e é totalmente regulável. O amortecedor de direção é uma unidade regulável Öhlins.

O sistema de travagem é fornecido pela Brembo à medida dos requisitos específicos para a Ducati MotoE. À frente é composto por um duplo disco em aço com um diâmetro de 338,5 m e rigidez acrescida, que tem aletas no diâmetro interno com o objetivo de aumentar a superfície da área de atuação térmica e melhorar o arrefecimento do disco em condições de uso extremo em pista. Neste duplo disco atuam duas pinças GP4RR M4 32/36 com uma bomba radial PR19/18. Na traseira, a pinça P34 age sobre um único disco de 220 mm de diâmetro e 5 mm de espessura com uma bomba PS13. As equipas podem também escolher equipar as suas motos com um comando opcional do travão traseiro posicionado do lado esquerdo dos avanços, que o piloto pode utilizar como alternativa ao pedal de travão.

O processo de desenvolvimento da Ducati MooE envolveu a equipa de testes da Ducati Corse liderada por Marco Palmerini, que trabalhou em pista com as mesmas metodologias usadas em MotoGP, graças também ao apoio dos pilotos de teste Michele Pirro, Alex de Angelis e Chaz Davies. Através do trabalho feito na eletrónica, o objetivo foi obter uma resposta ao acelerador como a de uma unidade endotérmica, e uma resposta aos controlos eletrónicos (tais como o Ducati Traction Control, Ducati Slide Control, Ducati Wheelie Control e mapa de injeção/motor) indistinguíveis daquela das motos de competição a que os pilotos Ducati estão habituados.

Fonte:/media.ducati.com

A possibilidade de aplicar o desenvolvimento e métodos de teste já usados em MotoGP, com uma sequência precisa de testes a serem levados a cabo para os vários componentes, para maximizar a performance de cada dia em pista, foi conseguida também graças à eficiência do sistema de refrigeração, que reduziu ao mínimo os tempos de carregamento, permitindo assim uma continuidade de uso verdadeiramente significativa para uma moto elétrica. O trabalho de desenvolvimento envolveu uma aprendizagem específica e cursos de treino para todo o pessoal envolvido, explorando o conhecimento partilhado no seio do Grupo Volkswagen, para garantir a segurança total de pilotos e técnicos.

O facto de a Ducati pertencer ao Grupo Volkswagen, que fez da mobilidade elétrica um elemento essencial da sua estratégia “New Auto” 2030, representa o melhor pré-requisito para um extraordinário intercâmbio de competências no campo das unidades motrizes elétricas. A Ducati está em contacto próximo com o Centro de Excelência (CoE) em Salzgitter, na Alemanha, mas também com outras marcas do grupo, como a Porsche e a Lamborghini.

O plano de trabalho para o projeto Ducati MotoE já atingiu um estado avançado de desenvolvimento e está a prosseguir a um ritmo elevado rumo a 2023, o ano no qual a Ducati vai assumir o papel de único fornecedor da Taça do Mundo FIM MotoE™ com 18 motos elétricas em pista a cada fim de semana de corridas. O próximo objetivo para o fabricante de Bolonha é tirar vantagem da participação na mais importante competição do mundo para moto elétricas, de modo a experimentar tecnologias inovadoras, treinar novos talentos e estudar como criar, assim que a tecnologia permita, um veículo elétrico Ducati que seja desportivo, leve, emocionante e capaz de satisfazer todos os entusiastas.

O website Ducati conta agora com uma secção dedicada ao projeto MotoE neste link para mais informações.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You May Also Like